Teoria da Alma

domingo, 3 de maio de 2009

So in love

De-lovely, filme sobre a vida de Cole Porter. Eu já vi, mas amo as músicas dele e o filme é lindo, vale a pena rever. Fora que eu AMO o Kevin Kline: além de excelente ator, ele é muuuuito charmoso!! E há várias participações especiais muito gostosas de ver, como Diana Krall, Alanis Morissette, Natalie Cole, Sheryl Crow, etc. Sem falar da música, ah, a música... dá para imaginar um mundo sem as músicas de Cole Porter?
Queria ter uma máquina do tempo para poder voltar e viver um pouco naquela época. As músicas, os livros, o cinema, tudo parecia tão mais poético, mais romântico, mais bonito. Será que é só impressão, será que é porque só conseguimos viver aquela época pelos filmes e livros? Talvez, não sei. Mas tudo parecia mais bonito, mais simples. As mulheres mais elegante, vestidos maravilhosos, os homens mais cavalheiros, educados e... perturbados??
Apesar da genialidade de sua obra - ou talvez em razão dela - Cole Porter era um homem que não conseguia viver aqui. Seus pés estavam no chão, mas a cabeça, sempre viajando... como acontece com todos os gênios.
Vocês já pararam pra pensar que os grandes gênios da humanidade tiveram vidas conturbadas, envolvimento com drogas, bebidas, tiveram vários homens, ou várias mulheres, ou tiveram vida curta, tiraram a própria vida, foram tachados de doidos, devassos, transgressores?
Eu tenho minha teoria sobre isso. Acho que essas pessoas são "grandes" demais para o nosso mundo. Elas não conseguem viver "dentro dos padrões", não conseguem se preocupar com as coisas mesquinhas do dia-a-dia...porque têm coisas muito mais importantes com que se preocupar, muito maiores, muito mais... nobres. A cabeça está sempre viajando pelo mundo das artes, da beleza, da inspiração. Essas pessoas não conseguem se adaptar a convenções, viver de acordo com o que dita a "sociedade", seja isso certo ou errado. Para elas não há convenções, padrões. E não são hipócritas, justamente por isso.
Dá pra imaginar Picasso, ao mesmo tempo que criava sua obra magnífica, se preocupando com contas a pagar, em chegar todas as noite em casa no horário do jantar, em levar flores para sua mulher? Se a gente pensar bem, são coisas quase que incompatíveis.
Para mim essas pessoas têm 'licença poética' para cometer todas as loucuras que quiserem, para ter todas as excentricidades que quiserem, desde que não deixem de produzir suas obras maravilhosas.
Das pequenas coisas do dia-a-dia cuidamos nós... eles que vivam em seus lindos mundos fantásticos e continuem encontrando a inspiração de que precisam para tornar nossas vidas sempre mais ricas!
posted by Karime at 00:53

2 Comments:

Oi, Kaká!
Sou extremamente dispersiva, ainda mais quando se trata das inúmeras possibilidades que a net nos traz; mas, fiquei incrivelmente entretida e "debruçada" sobre seus textos, sua alma.
Tudo muito belo de se ler, de se ver.
Beijinho.

3 de maio de 2009 15:00  

Kaká, é um bom ponto de vista, o seu. Mas não concordo com tudo. Nem sempre a genialidade é complicada. O artista é mesmo um ser diferente, embora se proclamem pessoas "como outra qualquer". Sei não...Pra uns, acho que o dinheiro corre solto demais, e isso proporciona uma vida movimentada, às vezes a alguém que não estava preparado.
Quanto aos "velhos tempos", da gentileza, dos figurinos mais bonitos, dos amores impossíveis, é...Deixaram saudade. Mas eu gosto é do hoje. Ontem já se foi e o amanhã talvez nem chegue. Mais ou menos por aí.

3 de maio de 2009 15:06  

Postar um comentário

<< Home